segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

ZA BELARTE: ROSAS DE CAIXAS DE OVOS

Tal como prometi, hoje vou ensinar-vos a fazer rosas com caixas de ovos, tal como a minha amiga Rosário Selada me ensinou.

1. Material necessário:

Caixa de ovos - dá para duas rosas;
Pistola de cola quente;
Lápis;
Pau de espetadas;
Tintas acrílicas ou guaches a gosto;
Pincel.



2. Separam-se as duas partes da caixa de ovos.
Arrancam-se os bicos centrais e reservam-se.



3. Separam-se os seis recipientes dos ovos.



4. Limpam-se das partes de cartão mais duras.



5. Rasgam-se como se vê na foto, para fazer as pétalas.



6. Enrolam-se as pétalas, uma a uma num lápis para dar forma.




7. Pega-se na pistola que se tinha ligado previamente e põe-se cola no meio. Cuidado para não se queimarem. Atenção que a pistola "baba-se". Não sei se acontece com todas, mas com a minha que é de fraca qualidade é um facto a ter em conta. Por isso na foto n.º 1 pode ver-se um pedaço de cartão por baixo, protegendo a pedra da bancada.



8. Depois da cola, coloca se outra parte por cima, com as folhas desencontradas e aperta-se bem, para colar. Repete-se a operação, Pois cada rosa leva três peças.



9. Aqui temos as rosas quase feitas. Cada uma já tem coladas 3 dos recipientes que formam a caixa de ovos, como referi antes.



10. Lembram-se dos bicos que se reservaram no início? Pois eles aqui estão e servem para terminar as rosas.



11. Rasga-se um pouco os quatro lados, como se vê na foto. Um já está encaracolado com o lápis, o outro, na minha mão está simplesmente rasgado.



12.  Eis como se podem colar: ou fazendo uma rosa ainda com botão.


13. Ou fazendo uma rosa já com todas as pétalas abertas.



14. Mas ainda há outra maneira de concluir as rosas.
Pega-se na tampa da caixa, que também se havia reservado.



15. Rasga-se ao longa da tampa uma tira da frente.



16. Limpa-se das partes mais duras.



17. Ficará mais ou menos assim.



18. Enrola-se no pau das espetadas para lhe dar forma.



19. E cola-se no centro da rosa.



20. Para finalizar pintam-se as rosa ao nosso gosto e por fim dão-se uma pinceladas de dourado.
Aqui temos uma rosa amarela, que envelheci com umas pinceladas de castanho e a que não deixei de dar uns toques de dourado. É uma rosa aberta que enfeitei com uns estames também dourados.



Esta é vermelha e terminei-a com a tira da tampa enrolada. Levou também uns toques de dourado.


Esta rosa termina em botão 





COMO FAZER AS FOLHAS DAS ROSAS


A minha amiga ensinou-me a fazer as rosas e eu arranjei forma de fazer as folhas...

1. Material necessário:

Palete de ovos (o que se vê na foto é o que resta de uma que me ofereceram);
Arame;
Alicate de cortar arame;
Pistola de cola a quente;
Tinta acrílica ou guache para pintar;
Pincel;
Papel próprio para cobrir as hastes das flores.



1. Separam-se os recipientes que formam a palete dos ovos e recortam-se, à mão  seis folhas (tal como se fez com as rosas). 


2. Cortam-se três pedaços de arame e colam-se como se vê na foto.

   


3. Enrolam-se os arames para formar a folha da rosa.



4. Depois pinta-se e dá-se um toque de dourado. Feito isso, que não é o caso do exemplo, enrola-se o tal papel próprio para cobrir as hastes das flores. É um papel que não necessita de qualquer cola e se enrola ao viés.



5. Aqui pode ver-se como fica o arame coberto.



6. Se se pretender fazer o pé da rosa pode usar-se um arame um pouco mais grosso, colocando-o primeiro na rosa e enrolando depois o papel próprio para cobrir, juntando a folha. Não é preciso cola nem qualquer produto. O dito papel segura a folha perfeitamente.
Na foto que se segue exemplifico com um pau de espetada, porque não tinha arame mais grosso do que o que usei nas folhas e também porque foi o material que utilizei num arranjo de flores que fiz há uns dias.



7. Na foto seguinte pode ver-se em pormenor a folha de uma das rosas do arranjo.



8. E aqui está o produto final, a que acrescentei uma flores de arame.
Metam mãos à obra e divirtam-se.


sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

UM DIA

É o mar
Este mar
mar de vagas
pequeninas
sussurrantes
Um mar-berço
de ternura
de afagos
O mar
que espelha o brilho
emprestado de teus olhos
Mar-redondo
onde me adentro
e te sonho
no embalo do abraço


Verde-Infanta
deito os olhos ao mar
a este mesmo-outro

Mar-tenebroso
vagas alterosas
perigo e abismo
Dúvida e desconhecido
em salpicos de espuma

Mar e céu
azuis
que a lonjura dilui

E eu
insignificante
pincelada de verde, sonho

Um dia
Um dia
serei azul

S. Martinho do Porto, 1 de Janeiro de
2015