quinta-feira, 24 de junho de 2010

A AVÓ ESPÍRITO SANTO

A avó Espírito Santo era uma velhinha redondinha com neve, muita neve nos cabelos, com uma cara redonda onde morou sempre um sorriso doce que me acolhia quando, sem cerimónias, lhe entrava pela porta dentro.

Naqueles tempos, lá pela Ribaldeira, as portas estavam só no trinco e, se alguém batia, não se perguntava “quem é” dizia-se “entre” e depois se veria com que visita a ocasião nos brindava. Todos eram bem-vindos!

A avó Espírito Santo deslocava-se com dificuldade, agarrada a uma linda bengala de madeira escura “como é que uma bengala poderá ser bonita?” pois eu achava aquele manípulo polido, onde ela colocava a mão, um bicho fabuloso, já nem me lembro como era mas, sei que fazia os meus encantos. Com a avó Espírito Santo vivia a prima Toninha, órfã de mãe e criada pela avó desde pequenina; o pai, genro da avó Espírito Santo, era um homem alto, polícia em Lisboa, que, com um ar simpático e maneiras finas, alterou o meu conceito de autoridade, aparecia muitas vezes para visitar a sogra e mimar a filha.

A prima Toninha tinha um lindo cabelo preto de ondas largas, igualzinho ao daquelas imagens dos postais ilustrados que havia em minha casa, trocados entre o meu pai e a minha mãe nos tempos de namoro. Era pela idade do meu irmão, talvez até um pouco mais velha, por isso não brincava comigo, mas facilitava-me o acesso aos bolos da avó Espírito Santo. Adorava vê-la num vestido de riscas largas coloridas, apertado na cintura fina com um cinto, que por vezes usava lá por casa.

A casa da avó Espírito Santo era pequena, pelos desaires da fortuna, soube mais tarde mas, parecia um ovo recheado de coisas lindas, muito bem arrumadas pela prima Toninha, coisas que só um diabrete como eu, ocasionalmente, tirava do lugar. Como qualquer criança “mexericava” em tudo o que era novidade e aquela arrumação, reconheço hoje, de objectos cujos contornos tão bem conhecia, proporcionava-me leituras estéticas que ainda recordo mas que gostava de alterar para voltar a imitar. Pude sempre mexer em tudo, arrumar e desarrumar a meu belo prazer e ver até respeitadas por algum tempo, as minhas “opções estéticas”.

O tio Joaquim era filho da avó Espírito Santo, morava com a mulher, a tia Joaquina, igualmente uma ternura de criatura, na adega contígua à casa da Avó Espírito Santo, que a má cabeça do tio Joaquim fizera transformar em habitação. A tia Joaquina, com chita colorida e imaginação, havia transformado aquela “amplitude” numa habitação de três assoalhadas.

O tio Joaquim, homem seco de carnes e curtido pelo sol, era de poucas falas e vivia agarrado à enxada, cavando na vinha de escassos metros a amargura e o pouco que ainda lhe cabia em sorte. Mesmo assim, ainda teve tempo, paciência e a feliz ideia de me montar um baloiço nas raízes das figueiras do quintal da minha avó Isabel que caiam abruptamente sobre a sua pequena propriedade, situada em terreno desnivelado, uns metros mais abaixo.

O que a minha imaginação voou no “vai e vem” daquele baloiço!

A Avó Espírito Santo morava perto da avó Isabel, só que… a avó Espírito Santo não era minha avó, era, isso sim, avó da prima Toninha que também não era minha prima e o tio Joaquim e a tia Joaquina, que eram tios da Toninha, também não eram meus tios!

Abençoado contexto social dessa aldeia de vinhedos, maçã reineta e pêra rocha! Usufruir de tanto afecto era para mim uma coisa natural. E aquelas visitas de Setembro ajudaram a moldar a alma rústica que possuo.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

A AVÓ ISABEL

Herdei de minha avó materna o nome completo. Coube-me, como única originalidade, acrescentarem Maria depois de Isabel e terminarem com Soares, que é o apelido de meu pai.

E é a vivência com essa velhinha que recordo hoje. Era uma mulher frágil, muito doce, com o coração do tamanho do mundo e amor “para dar e vender”.

Todos os anos, em Setembro, na altura das vindimas, passávamos férias em casa da minha avó Isabel, até no seu último Setembro…

Aqueles dias eram de encantamento. No quintal, separado da casa por uma serventia pública, havia figueiras retorcidas com troncos por onde cavalgava a minha imaginação. O espaço era só meu… e os figos também! Personalizei-os como amigos, inimigos, guerreiros, cavalgando naquele tronco meio deitado que foi o meu cavalo verde.

Quando a intelectualização me começou a entrar na vida, com mais força que a aprendizagem através dos sentidos e me vieram com aquela de que o cavalo verde simbolizava a Morte, só consegui pensar “Estão doidos!” e continuei a sonhar com o meu cavalo. Na adolescência, pretendi mesmo que, montado nele, chegaria o homem dos meus sonhos. E não é que anos mais tarde vi a ideia materializada num filme, cujo actor principal até ganhou o Óscar?! Sentada confortavelmente na sala de cinema só conseguia pensar ”Graças a Deus ainda há loucos!”

A Elisabete (que será feito de ti?), filha do “Zé Grigó” morava perto, mas a vida obrigava-a a cumprir tarefas de que a falta de tempo da mãe se não compadecia; contudo foi na melancolia dos finais de tarde que com ela aprendi a andar de burro. E se eu gostava de passear no burro do Zé Grigó… Da Elisabete, cuja circunstância de vida obrigava a ser adulta, com a minha idade, recordo a paciência com que aturava as minhas excentricidades.

O “Zé Grigó” era um homem pequenino, cuja deficiência na fala o impedia de pronunciar devidamente o nome: Gregório! Da mulher só recordo o silêncio e o deslizar suave pela resignação dos dias que deveriam ser outros e não aqueles que lhe couberam em sorte.

E a minha avó?!

No primeiro dia de férias, feito o transporte das malas no burro do Zé Grigó, desde a estação de Dois Portos até à Ribaldeira, dava-me um saco de dinheiro, tudo em moedas de tostão. Sim, porque eu não gostava de dinheiro, gostava era de brincar com as moedas e as de tostão eram as únicas que não interessavam ao meu irmão, doze anos mais velho do que eu e logicamente com interesses “outros”, a quem, nem o facto de caber bem maior quantia impedia de cobiçar a minha e, logo nesse dia, ia comigo apanhar amoras.

E nas alturas do mimo, farta de cavalgar na figueira ou de apanhar bichos para dentro de uma garrafa (que aflição quando fiquei com o dedo médio da mão esquerda debaixo de um pedregulho enorme! E que dores! Até tive direito a uma unha nova!), eu, roçando-me por ela, pedia “Avó, deixa-me brincar com a tua pele”. E, a minha avó sentava-se numa cadeira comigo ao colo e deixava-me acariciar-lhe as rugas do rosto e do pescoço.

E, ainda hoje, quando o silêncio não me apetece e não há palavras ternas nem gestos de carinho suficientes para o preencher eu fecho os olhos, traço com os dedos o contorno daquele rosto e sinto nas mãos o conforto da sua pele fina.

domingo, 20 de junho de 2010

ESPERO


Acordei esta manhã de Domingo, linda, cheia de sol e promessas de vida, depois de um passeio pelas águas do Alqueva que, marcado antecipadamente, me impediu de assistir às efemérides da República acontecidas ontem, na cidade de Leiria, com a lembrança da próxima sessão da Assembleia de Freguesia de Marrazes.

Ainda não sei quando acontecerá mas, amanhã por certo, o Acácio, permitam-me que, por amizade trate assim o Dr. Acácio da Bárbara, digno e brilhante Presidente da Assembleia de Freguesia de Marrazes, aparecerá na sede da Junta com a Ordem de Trabalhos em riste e marcará com Presidente a data do evento.

E eu que sou uma mulher de esperança, uma mulher de alma verde, "Verde de Verdade, porque a VER(da)DE é verde" que corre à frente da tal "figura nebulosa e esquiva" feita com um "retalho impalpável, outro improvável e outro invisível, cosidos todos a ponto precário com a agulha da imaginação" a que Machado de Assis chamou a "quimera da felicidade", ESPERO!

ESPERO que desta vez se cumpra a Assembleia! E, cumprir-se a Assembleia de Freguesia é termos um debate honesto e construtivo, feito de diferenças e decisões em prol da Freguesia de Marrazes sem que, para se fazer oposição, se agrida alguém do executivo, com recurso à doença congénita de que sofre e se chegue ao ponto de, sem habilitação para tal, se prescreverem medicamentos.

Quem tal ouve, mesmo como eu, na mais profunda ignorância do princípio activo recomendado, questiona os seus botões "Hum, será mesmo aquele que estará a precisar do medicamento?!"

E cá fico à espera, ajudada por este sol a adivinhar Verão e com a cor linda da buganvília da vizinha entrando-me sem cerimónias pela janela, a coser com a imaginação a delicadeza das atitudes da próxima sessão da Assembleia.

Isabel Soares, uma rústica Marrazense de Clara





quarta-feira, 9 de junho de 2010

DEZ DE JUNHO

Pela mão da minha mãe, num vestidinho branco de flores azuis, lá vou eu pela estrada da Carreira de Tiro. Às vezes ela solta-me e saltito estrada fora para a esperar meia dúzia de passos mais à frente.

Somos muitos, homens, mulheres, crianças, todos atrás do carro de bois do velho “Regueira de Pontes” (seria mesmo velho?), não vá cair algum dos cestos do farnel!

O carro preto do senhor José Pereira Santos a que a proveniência familiar alcunhara de Zé Alcanena aproxima-se e o sorriso da D. Julieta pergunta da janela “há alguém a precisar de boleia?” e quem precisa aproveita, porque para alguns, aqueles pouco mais de dois quilómetros da Estação (Sismaria da Gândara) até à Mata dos Marrazes custam a percorrer.

O percurso é o princípio da festa…

Depois as mantas estendem-se pela mata e exibem-se os tachos: arroz de cabidela, coelho, … “prova aqui do meu que está bom”… o pão-de-ló, o arroz doce, o leite-creme…

No bar improvisado o Sr. Chico e o Silva Gante vendem pirolitos. As garrafas são lindas, com uma bolinha dentro (ou atrair-me-ia a bolinha inatingível?)

As senhoras conversam animadas e as gargalhadas da D. Regina ecoam naquela tarde de Primavera.

O meu irmão, bem mais velho que eu e os outros rapazes namoriscam as moçoilas no bailarico, que acontece no terreiro improvisado.

E o meu pai pacientemente desfia as horas de ouvido na música e olhos na minha mania de me pendurar em tudo que é galho, enquanto com os outros garotos, corro naquele terreno irregular por entre as árvores da mata.

Joelhos esfolados e o dia tomba.

Então, o Clube, como dizíamos, que hoje todos conhecem como ACS, mobilizava os habitantes de Sismaria e todos os anos no dia 10 de Junho juntávamo-nos num piquenique na Mata dos Marrazes. Quando ainda nem havia televisão, era em torno desta colectividade que decorria toda a vida sociocultural do lugar.

O que sinto não são saudades porque "a vida passa e em passar se cumpre",como diz o poeta Rui Belo e, olhando para trás, rejubilo com a lembrança de uma infância feliz vivida no mais profundo desconhecimento do conceito de felicidade. E porque ainda recordo os sabores, os sons, os cheiros, as cores, as texturas dos malmequeres com que fazia colares e das papoilas com fazia bonecas descabeladas mas, e sobretudo, os afectos vividos, que deixo o pedido: Ajudem-me a reinventar a Mata de Marrazes.