sexta-feira, 12 de julho de 2019

QUISERA




Quisera que no meu peito fosse sempre verão
Que os goivos-da-praia perfumassem
cada dia
Que a noite me falasse de poesia…

E tu vinhas
envolto numa eloquência de estrelas
Pisando de devagar as pedras do caminho

Empurravas a porta entreaberta
Entravas de mansinho
E mimavas-me a alma com carinho

Imaginar-te sem saber-te
É um desatino

Sonhar-te sem ter-te
É o meu destino

A FITA MÉTRICA DO CHINÊS



Neste verão, que mal começou, tive a ideia de fazer uma nova toalha de praia. Arquitetei o plano e, ontem, para adquirir o material necessário resolvi deslocar-me ao chinês das Olhavas, por ser o que vende mais chinesices.

Escolhi o turco pretendido, a fita mais adequada para rematar o trabalho e dirigi-me à caixa para pagar. Quando chegou a minha vez, expliquei ao jovem que por trás do balcão ia faturando, que só levava o turco se tivesse mesmo um metro de largo e um metro e meio de comprido, como se assegurava na prateleira de onde o havia tirado. Ele abriu o turco, medindo-o por estimativa “tem, tem”. Em função desta afirmação categórica, informei-o de que também queria fita, sendo necessário que alguém fosse cortar dois metros da dita, já por mim escolhida... Vem uma menina, de olhinhos em bico, muito simpática mediu e zás! E eu voltei ao balcão com a fita na mão para pagar a conta que ficara suspensa.

Em casa, meio duvidosa da medição feita pelo chinês e desejosa de dar seguimento ao plano de execução da toalha, não fossem as férias apanhar-me desprevenida, verifiquei o tamanho do turco… 93cmx1,42m! Pasme-se!... faltava um bocadinho...

Almocei na paz do Senhor e, à tarde, voltei ao chinês das Olhalvas, armada de fita métrica. “Queres trocar?” perguntou-me sem que tenhamos andado na tropa juntos, nem nos conhecermos de qualquer outro lado… mas, mais importante que as subtilezas da linguagem, foi o facto de ter voltado a casa com um turco maior e mais caro também.

Hoje, quando finalmente ia ter uma toalha de praia nova e pretendia utilizar a fita de remate, para alindar o trabalho, verifico que a dita não chegava... em vez de 2m media 1,90m. Voltei ao chinês das Olhalvas que disse umas chinesices à chinesinha e mandou que se cortasse nova porção de fita.

Que conclusão poderei tirar depois destas andanças? A fita métrica do chinês é mesmo pequenina…

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

SONHEI CONTIGO, ESTA NOITE




Caminhámos de mão dada
rindo de tudo
e de nada.

Fugia p’ra me alcançares
desculpa p’ra me abraçares

Era o beijo que roubavas
Tu sorrias, eu corava
Numa primícia de amantes
que não fomos

eu sonhava

Não sei qual era o cenário
Na vastidão que eu corria
Só a alma possuía
Tal espaço p’ra te amar

Foi difícil acordar

Abracei-me ao teu sorriso
Que lembrava o paraíso

que brilhava, que brilhava


Essa luz me enfeitiçou
e nesta manhã nublada
foi o sol que me guiou

Sonhei contigo, acordada