terça-feira, 1 de abril de 2014

OUTRO ANIMAL DOMÉSTICO


Jantávamos os quatro: o André, de oito anos, a Rita de dois, o Afonso, um dos seus primos direitos, com três anos de idade e eu. Circunstâncias adversas haviam-nos juntado nessa tarde de domingo, dia trinta de março, cabendo-me cuidá-los até que os pais chegassem.

A Rita aproveitava magistralmente a circunstância de o Afonso se encontrar pela primeira vez ao meu cuidado, pois isso fazia com que eu atendesse às suas exigências, dado que era necessário que ele não sentisse a falta da mãe e do pai. Ora se eu fazia todas as vontades ao Afonso, também podia atender às dela… Como ele não gostava de sopa, ela a comê-la com apetite, também não gostava; o Afonso não gostava de cogumelos, ela farta já de os comer, também não queria… E o jantar ia decorrendo entre colheres de sopa e garfadas de arroz com a minha paciência à mistura.

A certa altura, O André dirigiu-se ao Afonso:

- Diz o nome de um animal selvagem. 

E da boca cheia do Afonso saiu “leão” embrulhado em bagos de arroz e bocadinhos de carne.

- Avó, como se chamam os animais que podem estar em nossa casa?” - perguntou-me o André.

-  Domésticos.

- Afonso, diz um animal doméstico.

- Doméstico. - respondeu este pronunciando mal a palavra.

- Não é para repetires, é para dizeres o nome de um animal doméstico. – esclareceu André.

Eu apercebendo-me que Afonso não dominava o conceito, dei uma ajuda:

- Gato, cão…

-Cão. - repetiu Afonso.

- Não digas avó. - Afonso, diz o nome de outro animal doméstico.

Então a Rita, de nariz no ar, sentencia:

- Outro cão.


4 comentários:

  1. Respostas
    1. Tenho uma neta muito inteligente... Sai à avó. :D

      Eliminar
  2. Boa sentença, sim sra.
    ...
    Só a talhe de foice... a minha neta mais recentemente chegada a este mundo (11 meses), a Alice, sentada no carrinho, mas não o será por muito mais dias, quer-me parecer, estica os braços em todas as direções. Em cima duma cadeira próxima, umas migalhas de bolacha. A Tina ( a nossa cadelita, daquelas raças minorcas (lembro-me lá do modelo?!...)) já lá tinha andado a dar umas lambuzadelas. A nossa querida Alice, olhou e nem hesitou. Pôs-se a comer o resto das migalhas de bolacha... verificámos de imediato.
    Muito adoráveis estas criancinhas!
    Sem dúvida, minhas senhoras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora, António, se as nossas criancinhas não fizessem tolices que teríamos nós para contar? Nós até gostamos que elas façam tolices. E como nos deliciamos com elas...

      Eliminar