segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

TALVEZ UM DIA


Às vezes bate uma dor na alma… Não dói como se tivéssemos caído e esfolado o joelho, também não tem nada a ver com uma perna partida, nem tampouco com a picada de espinho da rosa que colhemos. É uma dor que nos desfaz por dentro, devagarinho, que nos mastiga o peito, rouba o ar dos pulmões e afoga os olhos. E nós sentimo-nos tão sós, tão profundamente abandonadas que apetece parar o mundo, sair e adquirir por uns tempos a existência etérea daquilo em que acreditamos e não entendemos ou mesmo ser ar que se respira, ser brisa que sopra, ser a maresia que o vento arrasta, ser cheiro a mar e som de onda miudinha que o tempo traz e desfaz na areia da praia, nas horas da baixa-mar.
 “Amanhã tenho natação.”
“Estarei louca?” “Como me fui lembrar da natação?”
É o apelo à vida a rir-se daquilo que não perdi, porque nunca tive, mas que almejei e não consegui alcançar.
“Quem sabe?! Talvez um dia… “– diria a minha mãe se me ouvisse hoje. Di-lo-ia, não para me consolar, mas por saber, que há na vida dias que valem muitos anos.

“Quem sabe?! Talvez um dia…”

Sem comentários:

Enviar um comentário