quarta-feira, 20 de junho de 2012

NÃO ME PEÇAM RAZÕES


Não me peçam razões, porque não as tenho,
Ou darei quantas queiram: bem sabemos
Que razões são palavras, todas nascem
Da mansa hipocrisia que aprendemos.

Não me peçam razões por que se entenda
A força da maré que me enche o peito,
Este estar mal no mundo e nesta lei:
Não fiz a lei e o mundo não aceito.

Não me peçam razões, ou que as desculpe,
Deste modo de amar e destruir:
Quando a noite é de mais é que amanhece
A cor de primavera que há-de vir.

José Saramago, Os Poemas Possíveis – Editorial Caminho 1982

2 comentários:

  1. A hipocrisia das palavras que aprendemos... É isso que mais me revolta, acreditas?

    (Mau feitio, bem sei...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E somos duas :)) Com mau feitio, claro!!! Julgavas que eras só tu?

      Eliminar