segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

POEMA DESTINADO A HAVER DOMINGO

Porque hoje aconteceu mais uma tarde radiosa...


Bastam-me as cinco pontas de uma estrela
E a cor dum navio em movimento
E como ave, ficar parada a vê-la
E como flor, qualquer odor no vento.

Basta-me a lua ter aqui deixado
Um luminoso fio de cabelo
Para levar o céu todo enrolado
Na discreta ambição do meu novelo.

Só há espigas a crescer comigo
Numa seara para passear a pé
Esta distância achada pelo trigo
Que me dá só o pão daquilo que é.

Deixem ao dia a cama de um domingo
Para deitar um lírio que lhe sobre.
E a tarde cor-de-rosa de um flamingo
Seja o tecto da casa que me cobre

Baste o que o tempo traz na sua anilha
Como uma rosa traz Abril no seio.
E que o mar dê o fruto duma ilha
Onde o amor por fim tenha recreio.

POEMA DESTINADO A HAVER DOMINGO - Natália Correia
Passaporte (1958)

4 comentários:

  1. O dia hoje sorriu-me, a caminhada matinal repleta de sons cheiros e cores fez-me sentir a poesia, e a noite também.
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom! Isto significa que está muito melhor.Fico contente. Desejo-lhe tudo de bom.
      ;)

      Eliminar
  2. Um Poema Para Domingo (Pablo Neruda)

    “Não estejas longe de mim um só dia,
    Porque, não sei dizê-lo, é comprido o dia,
    e te estarei esperando como nas estações
    quando em alguma parte dormitaram os trens.

    Não te vás por uma hora porque então
    nessa hora se juntam as gotas do desvelo
    e talvez toda a fumaça que anda buscando a casa
    venha matar ainda meu coração perdido.

    Ai que não se quebrante tua silhueta na areia
    Ai que não voem tuas pálpebras na ausência
    Não te vás por um minuto, bem-amada,

    Porque nesse momento terás ido tão longe
    que eu cruzarei toda a terra perguntando
    se voltarás ou se me deixarás morrendo.”

    Pablo Neruda

    ResponderEliminar
  3. Cheguei tarde, fim de tarde, aliás já noite, quinta-feira seguinte, valeu a pena, vi-me na ilha Terceira, na Praia da Vitória, a olhar para um painel de azulejos de homenagem a Natália Correia, a ouvir este belo poema cantado por uma voz maviosa, sincronia perfeita entre imagem, música e letra,

    um regalo!

    ResponderEliminar