domingo, 10 de fevereiro de 2013

ROMANCE


Ele aí está, o novo trabalho do Cristóvão!




PREFÁCIO

Quem não se deixou seduzir, uma vez que fosse, pela melodia da chuva, no aconchego do leito? Quem nunca sentiu a carícia dos lençóis, numa noite de chuva e não cedeu à tentação de desfiar o rosário dos dias, de alguns dos seus dias, sentindo-se o mais feliz dos mortais, no embalo morno da cama, ao som da cadência dos pingos? 

E a memória traz-nos José Gomes Ferreira…

Chove...

Mas isso que importa!
se estou aqui abrigado nesta porta
a ouvir a chuva que cai do céu
uma melodia de silêncio
que ninguém mais ouve
senão eu?
….

E é num cenário de confortável e doce intimidade a que se justapõem o colchão macio e a altura da almofada, pouco propícios aos hábitos de sono de Paulo, que se inicia a narrativa.

Paulo, “de olhos bem abertos no escuro” contrapondo a sua “melodia de silêncio” à “chuva que continuava a cair impiedosamente sobre o telhado do Casarão dos Assis, lembra a mãe, porto seguro de afetos, os familiares e depois os amigos, uma hierarquia que não nos deixa quaisquer dúvidas quanto às prioridades que estabelece nos afetos e fala-nos de si, das suas preferências, da música, “puxando o cobertor até ao pescoço, tornando o aconchego num súbito prazer”. E o leitor começa a enredar-se neste monólogo interior, sentindo vontade de ajudar a alcançar o que, nos sonhos de Paulo, haverá por realizar: a paz interior, o bem-estar psicológico, aqui simbolizados pela hipotética compra de o Casarão dos Assis, ação em volta da qual se tece toda a trama.

São as preocupações com a prenda de casamento de Laura e Jorge, cuja escolha recai sobre a escultura do Menino Jesus, peça antiga, que pertencera à mãe e a consequente embalagem da mesma, que nos põem perante Paulo, um homem “perto de fazer cinquenta anos” de bom coração, generoso mas contido, tão contido que, para falar de amor, escreve “o gostar”. Desvia-se da gramática, substantiva o verbo. Será medo dos afetos? Perguntará o leitor, parecendo-lhe, como a Joseph Conrad, que as palavras não podem bloquear o que há para dizer, mas a resposta encontra-se largas páginas à frente: Paulo tem um “escudo protetor em volta do coração”.

É por Joana, mulher sofrida e bela, “sabia o desejo que provocava nos homens”, que Paulo se vai enamorar. Despertada a curiosidade pelos primeiros comentários que ouve acerca dela, encanta-se, quando trocam o primeiro olhar. “ Joana estava ali mesmo, à sua frente, sorrindo para ele”. O escudo protetor cai. São os olhares que, tal como a latitude dos corpos transferem à narrativa toda a carga emocional. “Paulo ficou sentado frente a frente com Joana. Assim poderia olhar para ela o tempo todo“ E a vida flui… “Abraçados olham o rio que silenciosamente percorre o caminho”.

Paira por toda a obra o espírito terno de Mariana, a já falecida mãe de Joana, esposa de Porfírio Assis. A sua bondade, simpatia e preocupação com o bem-estar dos que a rodeiam contrastam com o feitio reservado do marido, homem solitário e duro, “o velho pai que encontra na rigidez a companheira das horas de solidão”, merecendo a todos mais receio do que respeito. Abre-se contudo uma exceção para Padre Bonifácio, curador de almas, bom conversador e fiel depositário de todos os segredos da família Assis, que ousa amiúde e com irreverência enfrentar o patriarca.

Laura e Jorge, amigos de Paulo poderiam ser um desses simpáticos pares de namorados, prestes a casar, com os quais nos cruzamos na rua, diariamente.

João é um homem de vida apagada, dedicado à família Assis sem o devido reconhecimento. O guardião de O Casarão dos Assis representa o espírito de sacrifício, do guerreiro sempre pronto para defender a retaguarda que lhe confiaram e que no fim se vê recompensado. Da esposa, Rosineide, frágil e doente, quase sentimos o aroma dos cozinhados…

E, ao longo da narrativa vão-nos urdindo os afetos a favor de padre Miguel, para só no fim nos confiarem o segredo que o mantém longe.

As irmãs de Joana, no final, revelam uma grandeza de alma própria das pessoas de bem.

É no diálogo íntimo das personagens que o autor procura e encontra respostas. Será que se altera o ritmo de vida, será que se traçam novos rumos ou, numa perspetiva cósmica, deixa que tudo continue a fluir ao ritmo das estações? O Casarão dos Assis será um sonho que ganha movimento e acontece, ou uma quimera que a distância adiou?

Numa escrita simples, por vezes até informal, inserindo-se na perspetiva do romance psicológico moderno, ao longo das páginas, a vida vai acontecendo e cumpre-se situada no espaço e no tempo, lembrando que os ventos não sopram de feição: “de Portugal não chegavam notícias animadoras”.

Esta narrativa fala-nos ainda de lugares, assumindo-se como um pormenorizado roteiro de viagens, para quem pretender conhecer o périplo da Rota do Ouro de Minas Gerais, passear-se pelas ruas de Belo Horizonte, ou mesmo esquecer-se do tempo em lojas de alfarrabistas ou procurar filmes antigos, para completar coleções.

É uma narrativa sem pausas, não está escrita em capítulos; não se quebra a história. O leitor não se depara com a decisão de avançar ou desistir. A história é para ler de um fôlego, até ao fim.

Leiria, pelo S. João, 2012
Isabel Soares


Mas eu sei lá escrever prefácios?! Corrijo: mas eu sei lá escrever?!

Os "trabalhos" em que os amigos nos metem... e para os alegrar, com que carinho nos metemos   nos "trabalhos"... 

6 comentários:

  1. Está a ver, Isabel?

    Li este seu Prefácio de um fôlego!
    E gostei. E, quem sabe, um dia destes me lembre de comprar o livro, numa das minhas prolongadas visitas a uma Livraria.

    Hoje, o tempo a mostrar o seu ar sorumbático, deve chover. Aliás, já senti uns pingos na careca quando fui, numa fugida, ao jardim/quintal (talvez 75% jardim e o remanescente quintal).

    Pois que chova. Mansamente, se possível, na ordem natural das coisas.
    Nem sequer tenho grandes hipóteses de passear!

    "O prisioneiro de Zenda!. Um filme que vi quando era adolescente, que me ficou na memória. E cujo título associei à minha condição atual: prisioneiro domiciliário.

    "Chove
    Mas isso que importa*
    se a primavera, gota a gota,
    já se nota
    nas folhinhas prematuras da roseira?"

    Lídia Borges
    in "Searas de versos" (blogue)
    *Em itálico, versos de José Gomes Ferreira
    do poema intitulado: "Chove"

    Que espírito contraditório, o meu, neste momento!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto deste poema "Chove" de Lídia Jorge inspirado em José Gomes Ferreira.

      Quando à chuva, eu até gosto, mas até a mim já farta e não gosto do frio que desta vez chegou. De facto só no quentinho de casa, se está bem. Enquanto formos tendo dinheiro para pagar o aquecimento. Bem receio que qualquer dia... (não falemos de coisas tristes...)

      Obrigada pelo seu comentário. Gostei do que me diz. Obrigada.

      Eliminar
  2. Tantos livros para ler e eu sem lhes dar vazão!
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E somos duas, Graça. Não consigo dar vazão às leituras atrasadas. A pilha vai crescendo em vez de diminuir...

      Beijinho

      Eliminar
  3. Depois deste belo prefácio fiquei curioso...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, pelo adjetivo. É muita simpatia sua. :))

      Eliminar