segunda-feira, 9 de maio de 2011

ROTA DA LAGARTEIRA

Desta vez o passeio foi no concelho de Ansião, na freguesia da Lagarteira, que dista a 5Km da sede de concelho."O topónimo principal da freguesia sugere ser um local onde são ou foram comuns as tocas ou buracos onde se recolhem lagartos." (De acordo com o desdobrável supra)
Fomos recebidos numa casa situada num pequeno largo, onde nos serviram o pequeno almoço: leite, café, pão e broa quente com mel e queijo fabulosos. Nessa praça iniciava-se a Rua dos Verdes. Pensava encontrar ruas de outras cores, mas essa foi ao longo de toda a manhã a cor predominante para repouso dos olhos e alegria da alma.
Daqui partimos, deliciando os ouvidos com o som da passarada, o nariz com o cheiro das flores e os olhos nos cambiantes de verde, onde todas as cores do arco-íris tomavam a forma de flores.
Até as batateiras estavam maravilhosas!
Em qualquer canto havia flores que pareciam crescer espontaneamente.
E os malmequeres estendiam-se por alguns metros de terreno.
Havia maias, orquídeas, sargaço, bocas de lobo...
Eis senão quando aparece a 1.ª lagarta! Que susto! E um crocodilo! Que medo... Ou seria um dragão? E aquele atrás, o gnomo do arco-íris? E o pote! Onde está o ouro?
Chegados à Igreja de Sto António, todos entraram. Uns solicitando amores novos, outros talvez renovação dos amores antigos...
Uma linda imagem da Virgem; não me souberam dizer qual.
O altar. Fiquei fascinada com este Sto. António, que não é careca. Tem um lindo caracol no alto da cabeça.
Os homens fizeram-lhe perder quase todo o cabelo. Se conservou algum foi porque optou por pregar aos peixes...
Será que as alcachofras vão florir a tempo das fogueiras dos Santos Populares?
Há aí alguém com gripe? Chá da erva das sete chaga é remédio santo...
O Santo António ficara para trás, mas eu não resisti; peguei um e comecei: mal-me-quer, bem-me-quer... Nada feito, mal-me quer!
O teu pai é careca?
Colhia-se a erva com cuidado e interpelava-se uma amiga, que invariavelmente responderia "não". Soprava-se então a erva, as sementes voavam e exclamava-se alegremente "é pois". Inocências da infância quantas vezes repetidas?
Indecisão... Seguir em frente?! O letreiro não augurava nada de bom... mas lá fomos.
Para logo encontrarmos estas ovelhas "new wave"
Quem pela hera passou e uma folha não apanhou... do seu amor não se lembrou!
O percurso não era fácil, ao chão de cascalho acrescentava-se o declive acentuado. Havia uma senhora que ficava sempre para trás por causa das fotografias (não digo quem é, porque não me acuso)
Fotografei os figos, as nozes, as uvas, a promessa de amoras que as silvas exibiam, as oliveiras fabulosamente floridas, mas só aqui ficam as cerejas que hão-de vir a ser frutos vermelhos e suculentos.
Há quantos anos não via uma amoreira? No recreio da Escola Primária de Sismaria da Gândara, que frequentei, havia uma, à qual trepava para colher folhas para alimentar os bichos da seda. Nesta, as amoras eram grandes, mas ainda estavam verdes.
Altar da Igreja de Nossa Senhora dos Remédios
Como se chamará a quintarola? Da Vista? Do Olho? Responda quem souber.
De qualquer pedra brotavam flores.
Aqui, já tinham colhido os jarros.
Onde estarão as tartarugas? Disseram-nos que estariam lá, mas primaram pela ausência.
Da Igreja Matriz, em honra de S. Domingos, só aproveitei a foto deste delicioso baixo relevo particularmente cosmopolita , que retrata a Sagrada Famíla, num dia, lá por alturas do século dezassete ou inícios do dezoito, em que terá ido à cidade comprar botas para o Menino e para S. José. A tarde solarenga tê-los-á apanhado desprevenidos e terão adquiridos estes fabulosos chapéus de três bicos. Achei uma ternura.
E a originalidade deste vaso?

Cheguei a casa cansada, mas com a alma lavada pelo verde da paisagem e pela roupagem da Primavera nesta manhã de Domingo.

7 comentários:

  1. Para quem faz a Meia Maratona de Lisboa... esse passeio era para "meninos".
    :)
    Boas caminhadas!

    ResponderEliminar
  2. Menina! Muito andas tu! E por cada sítio, que vou-te contar...

    Mas que bela reportagem! E, já agora, deixa-me perguntar-te: com tantos lagartos e lagartas e tantos verdes que aqui referes, serás por acaso do Sporting?...

    ResponderEliminar
  3. A quem interessar eu sou uma mulher de esperança. Tenho a alma VERDE. VERDE de VER(da)DE porque a VERDADE é VER(da)DE!

    Não vou em futebóis. Só um brinquedo (bola) para tantos (22) brincarem???? Só pode dar confusão...

    ResponderEliminar
  4. Já agora "Carol", remeto-te para a barrinha amarela no início da blog.

    ResponderEliminar
  5. Se pelas letras é Verdade,
    Se pela cor é Natureza,
    Se contém a boa Esperança...

    Então... jamais outra Dança
    Terá música de mais Saudade
    Nem olhar de maior Beleza!

    ResponderEliminar
  6. Além de tudo isso, meu amigo, verde é a cor que fica bem no meio do arco-íris. Como diz o ditado? No meio é que está ...

    ResponderEliminar
  7. Nada ficou por reportar, sim a repórter foi muito fiel e criativa. Já agora a fotografa também captou bem o que vislumbrou... Continua.

    ResponderEliminar