quinta-feira, 2 de junho de 2011

SAUDADES

O ensaio acabara tarde. Faltam muitos dias para o dia catorze, mas não podemos dispor do Teatro Miguel Franco quando nos apetece. Há que respeitar a calendarização! Então, como nos disponibilizaram a sala, para toda a tarde de hoje, tivemos que aproveitar; desde as marcações de cena ao ensaio geral, aconteceu tudo em tempo recorde. Eu estava cansada, estávamos todas cansadas, mas eu sentia-me feliz, porque representar diverte-me.

Saí e ainda fui ao Turismo cumprimentar as amigas que tinham acabado de inaugurar a mostra de alguns quadros. Um refresco, dois dedos de conversa; possivelmente até foram mais de dois, esqueci-me de contar e dispus-me a retomar o caminho de casa, não sem antes passar pela feira do livro, que ficava em caminho. Buscava, por conta de M., “A Ronda da Noite “ da Agustina. Azar! No último momento esquecera o nome e vim para casa de mãos a abanar, ou deveria vir…

Eram quase vinte horas, estava um fim de tarde fabuloso e eu deixei-me seduzir. Parei o carro perto do Estádio, disposta a passear-me pela margem do rio antegozando já o cantarolar da água junto ao açude.

Afinal a quietude era total. As comportas estavam fechadas e o caudal ia alto. Os patos mergulhando aqui e ali ofereciam aos meus ouvidos o único som cristalino que se justapunha a um ou outro motor de carro e eu ia seguindo inebriando-me de verde, de brilho da água e de luz, na calma deste fim de tarde.

Viu a L. e dei uma corrida, e lá fomos tecendo mais uns minutos de velha amizade. Ela ficou perto de casa e eu voltei. Olhos cheios, alma mimada, no silêncio da tarde.

Um dia hei-de morrer. Pensei cheia de pena. E os cambiantes de verde continuarão a repetir-se em cada ano, salpicados de arco-íris. Que saudades terei do rio Lis!

6 comentários:

  1. Há quem não necessite do palco para representar...
    (foi só uma provocação) :)
    Bom Fim-de-semana!

    ResponderEliminar
  2. Lá o espero, dia 14, às 15 h, no Teatro Miguel Franco. Depois falamos...
    Nuns lados representamos, noutros "armamos barraca". (lol)

    ResponderEliminar
  3. Ah! Só para lhe aguçar a curiosidade...
    Eu serei a "actriz" que desempenhará o papel de "actriz" na peça "O meu caso" de José Régio.

    Os autógrafos, após a reportagem fotográfica para a comunicação social, só na passadeira vermelha à entrada da limousine. :D (A modéstica é o meu nome segundo nome: Isabel Modéstia... (lol)!!!!!!!!!!

    (Se for, não leve ovos podres)

    ResponderEliminar
  4. Nunca me dizes nada! Que representação é essa? Também quero ir (e assim levo eu os ovos podres... ou preferes tomates?...)

    Estou a brincar e não era isto que eu vinha aqui dizer ao ler o teu texto de hoje. Que acho tão melancólico! Também eu tenho muita pena de morrer! (E pensar que... já tive outras intenções...)

    Bom! Fico por aqui.

    ResponderEliminar
  5. Carol:
    Pois tu não sabes que eu faço teatro?! Melhor dizendo que "armo barraca"? Pois é verdade! Faço parte do Grupo de Teatro da Academia de Cultura e Cooperação. Actuaremos no dia 14 como já tiveste oportunidade de ler.
    Quero-te lá, mas prefiro que leves tomates...

    Já agora quem nos ensaia é A Prof. Isabel Aragão. Contudo as minhas andanças pelos palcos já são antigas. Num comentário, a propósito de outro no âmbito de um texto postado por aqui, refiro isso mesmo. Garanto que gosto do palco, mas tenho tão poucas qualidades artísticas que nem sinto aquele nervoso miudinho de que toda a gente se queixa antes de actuar. Para mim, o palco é pura diversão. Há quem goste de se mascarar no Carnaval...

    ResponderEliminar
  6. Voltei aqui Carol só para te remeter para os comentários do texto "Fast Food", onde falo do Grupo de Teatro Tró La Ró.
    Já agora um episódio com piada. Certo dia, num espectáculo, em Setúbal, no Teatro Luísa Todi, A Mimi,encarnando D. Dinis, na Lenda de Segodim, esqueceu-se de colocar as barbas postiças. A certa altura, ela tinha de fingir que se demorava e quando passou por mim, lembrei-a: As barbas, as barbas... Ela agarrou-as, colocou-as e quando chegou à boca de cena disse para o público: Demorei-me tanto que até as barbas me cresceram. Podes não achar piada, mas eu ainda hoje me rio da cena e acredita que foi uma gargalhada geral.

    ResponderEliminar