quarta-feira, 27 de abril de 2011

SOMOS

e
Enviado por uma amiga.

9 comentários:

  1. Esteticamente muito bom e um conteúdo igual:)

    ResponderEliminar
  2. Também somos tudo aquilo que os outros poderão pensar de nós.

    A vida é uma sucessão de sucessos sucessivamente sucedidos.
    Um bom dia já é um sucesso.

    ResponderEliminar
  3. Que belo enlace este das palavras e da música.
    Obrigado pela partilha.

    ResponderEliminar
  4. Muito bonito Isabel. Estas coisas merecem realmente serem partilhadas!

    ResponderEliminar
  5. Voltando novamente.
    Ficamos à espera da visita quando estiverem próximo.
    Será um prazer.

    ResponderEliminar
  6. Somos isto tudo e mais o que quisermos ser.

    Mas somos o que somos porque existimos.
    Eis a essência da vida.

    Digo eu...

    Um trabalho extraordinariamente criativo e cuidado. Gostei sobremaneira.

    ResponderEliminar
  7. Naquele recanto quente de luz candente iluminado,
    Num Oriente,bem presente,levemente perfumado,
    Ouviu-se noite,nunca ausente, em coração fundo gravado,a mais doce, suave intensa melodia...
    Violino transcendia,solo,e só dizia "Ojos niegros,
    yo te quiero,te quiero mucho en mi mal sana fantasia"...
    Dou-te em mão meu coração da maior paixão iluminado.

    ResponderEliminar
  8. Tenho andado "longe" deste meu sítio, numa semana de loucos, que convenhamos, em certa medida, até me assenta bem (lol), por isso só hoje estou aqui, com um abraço fraterno para todos vós.

    M.
    Tu só podes estar doente. Que comentário tão certinho! Que se passa? Gosto muito de ti irreverente, louca (não te zangues, digo-o no bom sentido) e com aquela assertividade que nos deixa de banda, com a pauta à frente e sem sabermos que nota tocar. Compõe-te "piquena". Às vezes és tão irreverente que me pergunto se não serás um "piqueno" disfarçado (lol)... (A dúvida metódica é a mãe do conhecimento - com diria o Sr "dez cartas")

    Ó João das flores, com o que os outros pensam de mim posso eu bem. Permite-me que use linguagem de gíria e deixa-me dizer: borrifo-me para isso!Agora com o juízo que eu faço de mim própria é que às vezes me vejo atrapalhada...
    Não sou o que eles pensam, mas "engano" bem (lol)!!!! (acho que a doença da M. passou para mim).
    Muito obrigada pelo convite para ir ver esse jardim fabuloso, mas este ano as férias estão complicadas. A cegonha vai chegar de França com uma Rita, para os princípios de Agosto e eu quero estar na linha da frente quando a neta chegar para me "babar" a olhá-la, tal e qual com fiz quando nasceu o irmão. Ficará para outra altura. Adorei estar no Hotel Monte da Lezíria, tomar banho na Praia da Carretas (que azul fabuloso!) e comer no Restaurante Monte Velho entre muitas outras coisa que fiz por aí, contudo este ano não vai dar.
    Continua a plantar flores, que depois ainda verei o jardim mais bonito.

    António:
    Somos porque existimos, sem dúvida e seremos o que quisermos ser. Limites: nós próprios, a nossa circunstância. Sartre no seu melhor. Concordo em absoluto.

    Olímpio:
    Penso que este terá sido o primeiro ensaio daquele poema lindo, sensual, terno, que me enviou por mail.
    Quem será a musa, dona desses "olhos negros e ternos" que o inspira? Que ela o inspire e que para mim vá sobrando a melodia da poesia, já que não posso ouvir o violino... Sou feliz com pouco (lol).

    ResponderEliminar
  9. Foi mesmo!Tem magia a doce melodia do último violino...Foi ouvida, em Budapest, num jantar, com Princesa,"príncipes negros" na mesa...Tocada por um zíngaro...A melodia era "Ojos Negros"...Os olhos da Musa não eram negros, eram verdes,verdes como a Natureza e mais ternos e brilhantes que as gotas de orvalho na folha do capim "príncipe",ao nascer do sol,na verde,fresca,perfumada... e infinita savana...

    ResponderEliminar