quarta-feira, 6 de julho de 2011

LENDA

De etéreas latitudes, quiçá do Olimpo, um geógrafo, condoído com o que venho ouvindo e lendo a propósito de "Os Lobos", mimoseou-me com esta LENDA.

Muito obrigada Olímpio, por a ter escrito, por ter autorizado a sua divulgação e mais que tudo, por este "desembainhar de espada" que inconscientemente o trouxe em meu auxílio. São assim os Cavaleiros Andantes!


LENDA

Há muito, muitíssimo mais que mil anos, a loba, farejando caça, cheirou o homem... recém-nascido, abandonado, inerte. Abocanhou-o com cuidado, e para a toca o levou... e a seus filhos o juntou, lambeu e aconchegou.

Alta noite, luar de prata, o lobo chegou... e o novo filho também lambeu... e bem cheirou! ... Correu lesto à colina, e, no meio da noite, com muita força, uivou! ... ... ...

O homem sobreviveu... e sempre comeu o que o lobo lhe deu. A caçar não aprendeu! ... Mas um pecado cometeu - a seu pai, não agradeceu... a sua mãe, olvidou... a seu irmão enganou! Chamando-lhe cão, dele se aproveitou! À lealdade faltou!!... E muitas vezes maltratou!!! ... ...

Dizem que os medos, as lendas, os mitos, os licantropos, as fantasias... (até Rómulo e Remo)! não são mais do que aquilo que ficou de um uivo de alegria que começou, e que em uivo de tristeza se transformou!

O.A.A.P.

Julho 2011

4 comentários:

  1. Bonita lenda. Para pensar e meditar. E mudar...



    Nota:lol não tens que pedir desculpas de nada. não publico os comentários porque não o desejas. Por mim, sem problema...

    Da falta...lol há coisas que nunca chegam...E ainda bem:)

    Abraço:)

    ResponderEliminar
  2. Olá, M.
    Eu acredito que sim, que há coisas que nunca chegam (lol). O amor, por exemplo.

    E há texturas que nunca são de mais tocar,:)como a pele de quem amamos.

    ResponderEliminar
  3. Isso:)

    E nada de confusões com o perfume:)

    ResponderEliminar
  4. Tu brincas M. mas temos cinco sentidos para utilizar. Se não fossem para utilizar todos, Deus dar-nos-ia menos, não achas? (lol)

    ResponderEliminar