quarta-feira, 15 de agosto de 2012

CHEGOU O INVERNO



Todas as tardes, cumprida a visita diária a minha mãe, rumo a S. Martinho do Porto, cerca das quinze horas. E o mês de Agosto vai acontecendo num vai e vem sem parança.

Há sempre amigas interessadas no passeio o que me faz trair Michael Bubllé, cujo CD, escolhido há imensos dias ainda não conseguiu fazer-se ouvir até ao fim. As canções começam a tecer-se nos curtos minutos que separam a minha casa da de PS, para se calarem assim que esta entra no carro. Que sorte! Quando a OC aparece à minha porta e me acompanha, nem sequer começam a ser ouvidas. A conversa leve e inconsequente com as amigas é bem mais interessante.

As tardes de praia, com sol quente e a preia-mar, têm resultado fabulosas para quem, como eu, gosta de tomar banho e espojar-se ao sol. Nado até às boias e por lá rodopio, sonhando-me Odete, livre da maldição do bruxo Von Rothbart e sem Siegfried que me perturbe.

O mar em S. Martinho é um lago calmo. A água fria, num tom esverdeado, envolve-nos, acariciando-nos a pele e qualquer gesto é suficiente para nos manter à superfície. “Que será feito do senhor Machado?” Lembrei-me há dias, quando, brincando sozinha junto às boias vi aproximar a Rute, a Laura e a Marta, jovens de quinze, treze e onze anos respetivamente. “Outra geração” – pensei. O senhor Machado, aos oitenta anos ainda me acompanhava nestas deambulações mar adentro, com a minha amiga Z., sua vizinha de barraca, na fila atrás da minha. Agora a Z. recompõe-se da doença, com que o inverno passado a vitimou e este é o terceiro verão em que nada sei do senhor Machado. A vida a caminhar a passos largos indiferente aos meus afetos!

As amigas que me acompanham desde Leiria, não gostam de fazer praia como eu. Normalmente passeiam, vão ao café e aparecem quando lhes apetece. Então, juntas, esperamos que a praia fique deserta. Os vizinhos de barracas, à medida que vão embora, recomendam “feche a praia bem fechada” e nós, hábito meu bem velho, deixamo-los partir com a promessa de que se dará três voltas à chave, para então estendermos os olhos, regaladamente, pelo espaço até Salir. Elas também gostam da paisagem…

Cerca das vinte horas, quando não é mais tarde, saímos da praia, jantamos no Ocean Place e depois rumamos a casa, onde nunca chego antes das vinte e uma horas, para, alguns dias, ainda ficar na conversa com a OC, à minha porta, atitude plenamente justificável pelo facto de não termos conversado nada (pouco) a tarde inteira.  

Hoje, havia vento, muito vento. “Vamos aos anéis” – decretei eu, mal chegámos. “não há como tu para adivinhar as coisas que me fazem falta” – brincou a OC, “avalio pelas minha próprias necessidades” - contrapus, “primeiro tomamos café” – exigiu a PS. Cumprido o programado café e, tendo cada uma, depois de voltarmos a loja do avesso, adquirido uma extraordinária joia, pela exorbitância de três euros, rumámos aos pastéis de nata. “Estão quentinhos!”- admirou-se a PS.  Claro que estavam quentinhos, há sempre pastéis de nata quentinhos, se fossem iguais aos que se comem em Leiria, não teria valido a pena levá-las ao “Cantinho II”.

Quando, finalmente, rumávamos à praia, a chuva começou a cair. “Quanto pagam para vos deixar ir debaixo do meu chapéu?” - perguntou a PS, exibindo a sombrinha que tirava do saco. “Quem te disse que desdenho andar à chuva?” – quis saber - “Os chuvisco de S. Martinho tornam as mulheres mais belas”, “receio que não sejam chuvisco…” lastimou a OC, caminhando á chuva, tal como eu. Mas foram e ficámos na praia até às vinte horas.

Como acontece em cada ano, o inverno chegara a S. Martinho para passar o verão, mas que nos importara? Fora, simplesmente, mais um veraneante.

7 comentários:

  1. O que tu gostas de S. Martinho do Porto!... Hábitos antigos, não é? Nunca nos deu para aí... Mas olha que hoje a chuva já se foi e esteve um belo dia de praia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. S. Martinho é uma forma de estar na vida. É o sítio onde sonho melhor. É o sítio onde desato os nós ao pensamento e onde a minha alma se sente aconchegada. Não tem a ver com os hábitos antigos, tem a ver com a minha relação com o espaço.
      Hoje, em S. Martinho esteve uma extraordinária tarde de praia, mas antes de descer ao areal, pretendi que a Paula e a Odília provassem as bolas de Berlim, que saem na hora, quentinhas com ou sem creme, as areias de S. Martinho e as empadas de galinha que são as melhores que alguma vez comi. Levei-as também a ver uma coisa, não te digo o quê, porque talvez escreva sobre isso.
      Elas deliraram...

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Uma autêntica Margot Fonteyn sem Rudolf Nureyev...

      Que continue a somar todos os êxitos que merece.

      Eliminar
  3. Nao quero contrariar a sua convicção, mas circulam boatos sobre outras parcerias mais satisfatórias da Margot. Seja como for, não posso crer que nesse lago de magia, a rainha cisne nao tenha gerado um diversificado e solicito corpo de baile.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa vontade sua, caro amigo! Não se passou ainda do início do primeiro ato. Festeja-se o príncipe por outras paragens. Ele sim, possui um corpo de baile diversificado e solicito.

      Acha que nessas condições Siegfried vai reparar em Odete?

      Eliminar
    2. (Aqui para nós... A cisne branco anda mascarada de cisne negro...)

      Eliminar