sábado, 25 de agosto de 2012

VIANA DO CASTELO: o que eu andei...

Caminhando pela avenida...

O homem que vendia cabaças

Que lindas cabaças! Posso tirar uma fotografia? E a si Também?


O lenço dos namorados: "O nosso amor só pode acabar, se esta pomba voar"

E os barros coloridos...

Arte telúrica (poderei chamar assim?) - a Natureza no seu melhor...


Os palmitos da romeiras. Gosto mais dos outros, só em papel metalizado em ouro velho. Não havia.

Era uma janela virada para o mar...

6 comentários:

  1. Andar por aí, um pouco "sem destino", registrando cenas tão interessantes, é tudo de bom. Lembre-me das cabaças, que minha avó partia ao meio, par tomar "banho de cuia" (quando não havia chuveiros).
    O lindo lenço, artesanato em barro e tão alegremente colorido e, tudo o mais, chegando à "janela virada para o mar"...
    É bem mais que poesia...Isabel!

    Um abraço,do lado de cá do oceano...
    da Lúcia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Lúcia, pela sua gentileza.
      Viana do Castelo é uma cidade muito bonita, os habitantes da região são pessoas muito alegres e a festa da Senhora d'Agonia a rainha das romarias populares.
      Que bom que tenha gostado das fotos que publiquei! Só porque lhe lembrei a sua avó, acho que já valeu a pena.
      O meu abraço também para si.

      Eliminar
  2. Pelo título da crónica se percebe logo que não se tratou de uma incursão turística, mas de um verdadeiro exercício de observação participante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A observação é um exercício que faço sem me dar conta. Pura deficiência profissional (sou especializada em Supervisão Educativa). Nem queira saber nos pormenores em que reparo...
      o passeio a Viana foi um retorno às memórias. Tenho uma fotografia que dista destas mais de meio século. Dito assim, como se alonga o tempo...
      Quanto ao título... parece-me que tenho de pagar direitos de autor a alguém... Não lhe parece?

      Eliminar
  3. Direitos de autor só ao José Mário Branco que canta o que eu andei para aqui chegar. Mas eu referia- me à observação praticada pelo antropólogo, que para melhor entender os processos que observa, neles se propõe também participar e nao apenas ver de longe como um turista. O seu olhar, Isabel, está muito além do do turista.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A sua generosidade faz-lhe atribuir-me qualidades que não sei se possuo. Por outro lado não sei se a minha forma de estar na vida, que tento controlar o mais possível, é tão louvável como pretende.
      Gosto da vida. Que hei-de fazer? E tento ser feliz com as opções possíveis, dentro daquilo que a vida me proporciona, independentemente de isso materializar, ou não, o meu sonho.
      Estou predisposta a encantar-me. Aconteceu-me em Viana como me acontecera em Guimarães. Era impossível não sentir o pulsar da vida, o entusiasmo dos minhotos e a sua forma de agarrar a alegria pelos cabelos. E o orgulho?! O orgulho de ser o que se é. Fascinante!Invejável! Quem resiste a um mergulho entusiástico na vida?!
      Não sei se terá visto a reportagem, terá, pelo menos, tido notícia do cortejo do “Enterro de Portugal” que aconteceu em Guimarães. Dizia um senhor ao repórter, mais ou menos o seguinte: Discordo do que está aqui a passar-se porque, enquanto houver um vimaranense, Portugal não morre.Que força! Que energia! Que forma interessante, esta da parte chamar a si a responsabilidade pelo todo!
      Em Guimarães (eu ainda nem estava bem de saúde, nessa altura) senti que também se agarrava o futuro de forma inequívoca. E o mais interessante é que sinto que não são só os vimaranenses que estão empenhados no sucesso de Guimarães, Capital Europeia da Cultura. Muitos responsáveis pela cultura, fascinados com o que aí acontece, querem fazer parte do fenómeno e, com a sua contribuição, engrandecem-no.
      A atuação da orquestra de 320 elementos deverá enchê-lo de júbilo!

      Terei de me penitenciar por ter ficado a dever à amizade, generosidade, humildade e simpatia com que nos recebeu, a publicação, neste espaço, das fotos que testemunham o passeio a Guimarães. Fi-lo contudo no Facebook.

      Eliminar