terça-feira, 6 de novembro de 2012

CINCO POEMAS SOBRE AS MÃOS, MAIS UM


DÁ-ME AS TUAS MÃOS

As mãos foram feitas 
para trazer o futuro,
encurtar a tristeza, encher
o que fica das mãos
de ontem - intervalos
(duros, fiéis) das palavras,
vocação urgente
da ternura, pensamento
entreaberto até
aos dedos longos
pelas coisas fora
pelos anos dentro.

Vítor Matos e Sá, in 'Companhia Violenta'



AS MINHAS MÃOS

As minhas mãos magritas, afiladas,
Tão brancas como a água da nascente,
Lembram pálidas rosas entornadas
Dum regaço de Infanta do Oriente.

Mãos de ninfa, de fada, de vidente,
Pobrezinhas em sedas enroladas,
Virgens mortas em luz amortalhadas
Pelas próprias mãos de oiro do sol-poente.

Magras e brancas... Foram assim feitas...
Mãos de enjeitada porque tu me enjeitas...
Tão doces que elas são! Tão a meu gosto!

Pra que as quero eu - Deus! - Pra que as quero eu?!
Ó minhas mãos, aonde está o céu?
...Aonde estão as linhas do teu rosto?

Florbela Espanca, in "Charneca em Flor"



AS MÃOS

Com mãos se faz a paz se faz a guerra.
Com mãos tudo se faz e se desfaz.
Com mãos se faz o poema – e são de terra.
Com mãos se faz a guerra – e são a paz.

Com mãos se rasga o mar. Com mãos se lavra.
Não são de pedras estas casas mas
de mãos. E estão no fruto e na palavra
as mãos que são o canto e são as armas.

E cravam-se no Tempo como farpas
as mãos que vês nas coisas transformadas.
Folhas que vão no vento: verdes harpas.
De mãos é cada flor cada cidade.
Ninguém pode vencer estas espadas:
nas tuas mãos começa a liberdade.

Manuel Alegre, in ‘O Canto e as Armas”



OLHO AS MINHAS MÃOS

Olho as minhas mãos: elas só não são estranhas
Porque são minhas. Mas é tão esquisito distendê-las
Assim, lentamente, como essas anémonas do fundo do mar...
Fechá-las, de repente,
Os dedos como pétalas carnívoras!
Só apanho, porém, com elas, esse alimento impalpável do tempo,
Que me sustenta, e mata, e que vai secretando o pensamento
Como tecem as teias as aranhas.
A que mundo
Pertenço ?
No mundo há pedras, baobás, panteras,
Águas cantarolantes, o vento ventando
E no alto as nuvens improvisando sem cessar.
Mas nada, disso tudo, diz: "existo".
Porque apenas existem...
Enquanto isto,
O tempo engendra a morte, e a morte gera os deuses
E, cheios de esperança e medo,
Oficiamos rituais, inventamos
Palavras mágicas,
Fazemos
Poemas, pobres poemas
Que o vento
Mistura, confunde e dispersa no ar...
Nem na estrela do céu nem na estrela do mar
Foi este o fim da Criação!
Mas, então,
Quem urde eternamente a trama de tão velhos sonhos?
Quem faz - em mim - esta interrogação?

Mário Quintana 



MÃOS

Na mão serena que num gesto de onda
Em estátua musical o ar modela.

Na mão torcida que num frio de gelo
A parede do tempo em fundos gritos risca.

Na mão de febre que num suor de chama
Em cinzas vai tornando quanto toca.

Na mão de seda que num afago de asa
Faz abrir os sonhos como fontes de água.

Na tua mão de paz, na tua mão de guerra,
Se já nasceu amor, faz ninho a mágoa.

José Saramago





DÁ-ME A TUA MÃO

Dá-me a tua mão.

Deixa que a minha solidão
prolongue mais a tua
— para aqui os dois de mãos dadas
nas noites estreladas,
a ver os fantasmas a dançar na lua.

Dá-me a tua mão, companheira,
até o Abismo da Ternura Derradeira.

José Gomes Ferreira, in “Poeta Militante I” 

13 comentários:

  1. Se beberes um dia a luz
    que irradia das minhas mãos
    Cegarás.
    É nelas que carrego
    a dor
    o sofrimento
    a tristeza
    a angústia
    a insatisfação.
    Carrego nelas a minha vida
    E os teus olhos não suportarão.
    Serão contagiados pelo breu dos meus dias.
    Necessitarás então de mãos que te guiem.
    Ainda quererás as minhas?

    Sandra Subtil

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem haja, Sandra. O seu poema é lindo. As suas mãos, em concha, estão cheiinhas de gentileza e amizade. A prova é esta partilha do seu poema.
      Um beijinho.

      Eliminar
  2. Põe-me as mãos nos ombros...
    Beija-me na fronte...
    Minha vida é escombros,
    A minha alma insonte.

    Eu não sei por quê,
    Meu desde onde venho,
    Sou o ser que vê,
    E vê tudo estranho.

    Põe a tua mão
    Sobre o meu cabelo...
    Tudo é ilusão.
    Sonhar é sabê-lo.

    Fernando Pessoa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Graça por teres acrescentado Pessoa. O poema é lindo.
      Beijinho

      Eliminar
  3. Mas que lindos POEMAS sobre " As Mãos"!

    Na verdade as "nossas Mãos" são preciosas e valem tudo no mundo!

    Obrigada aos POETAS e às AMIGAS que transcreveram POEMAS Maravilhosos!

    Soube-me tão bem saboreá-los ---- LIIIINDOS!
    ABRAÇO à dono do blogue e às suas colaboradoras!
    Adorei!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Maria Helena.
      "De mãos é cada Flor, cada cidade". Metáfora ou não as mãos são imprescindíveis no toque de que vive o afago.
      Para si, um beijinho e um abraço.

      Eliminar
  4. Amigas e amigos,

    O espaço continua à espera de todos os poemas que falem das mãos. Escrevam à vontade.
    Um beijinho para todos.
    Isabel

    ResponderEliminar
  5. MÃOS

    Côncavas de ter
    Longas de desejo
    Frescas de abandono
    Consumidas de espanto
    Inquietas de tocar e não prender

    Sophia de Mello Breyner Andresen

    ResponderEliminar
  6. Unquestionably imagine that which you stated.
    Your favorite reason seemed to be at the web the simplest factor to be mindful of.
    I say to you, I certainly get annoyed even as other folks think
    about worries that they just don't recognize about. You controlled to hit the nail upon the top and also outlined out the whole thing with no need side-effects , people could take a signal. Will likely be again to get more. Thank you
    my website > football transfer news 2013

    ResponderEliminar
  7. Do you have a spam issue on this site; I also am a blogger, and I
    was wondering your situation; we have developed some nice procedures and we are looking to trade methods with
    other folks, please shoot me an email if interested.
    Here is my homepage ... pizza games for boys

    ResponderEliminar