quinta-feira, 22 de novembro de 2012

TODA A POESIA É LUMINOSA



Toda a poesia é luminosa, até
a mais obscura.
O leitor é que tem às vezes,
em lugar de sol, nevoeiro dentro de si.
E o nevoeiro nunca deixa ver claro.
Se regressar
outra vez e outra vez
e outra vez
a essas sílabas acesas
ficará cego de tanta claridade.
Abençoado seja se lá chega


Eugénio de Andrade

4 comentários:

  1. Esta é muito difícil de ler, sem óculos de sol (graduados no meu caso).
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O nevoeiro às vezes acontece na nossa alma, magoada pela incompreensão daqueles que amamos incondicionalmente. Então não há óculos que nos valham. É mesmo esperar que se dissipe.
      É a vida a acontecer, nem sempre como gostaríamos. :)
      Eu não me preocupo com a falta de óculos. Tento sempre olhar o sol de frente, mesmo que o preço a pagar sejam algumas lágrimas.
      Está uma linda manhã de sol. Carpe diem

      Eliminar
  2. Pois...
    isto é o que diz o poeta
    e a poesia que ele escreve?
    Apela ela sempre à luz, à beleza?
    À esperança?

    E quando quer o poeta quer o leitor
    têm o seu espírito toldado
    pelo nevoeiro, mais ou menos cerrado
    quantas vezes infernal?

    "Abençoado seja se lá chega"
    Amen, Eugénio
    Gosto muito da tua poesia
    Se calhar tens mesmo razão
    nós, os leitores é que
    temos der ser capazes
    de ver essa luz
    mesmo no meio do nevoeiro!

    E não é o que o dia, hoje, até está a amanhecer radioso?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Felizmente, radioso! E eu vou comprar flores para me alegrar. :)
      Muito obrigada, António, pelas suas palavras.

      Eliminar