quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

ISABEL

Pela minha idade, há imensas. Como já contei, herdei o nome inteirinho da minha avó materna, mas na altura deveria ser moda, dada a profusão de colegas que fui encontrando pelas turmas que frequentei na escola primária, no Liceu, no Magistério e com que venho tropeçando vida fora.

Sábado, telefonei a uma delas. “Como está a tua mãe?”, “continua mal, coitada, mas está um pouco mais animada”, “e tu?”, “estou” e eu vi-a, sem a ver, a encolher os ombros, displicente.”Cão sem dono” diria Ary, tal como eu, mas ainda mais só, que, em Lisboa, tenho duas filhas e um neto que dá os melhores abraços do mundo.

Era Domingo, fomos ao cinema, jantámos no Shopping e fomos à FNAC.

Comprei um CD. Se pudesse, em memória de Ary, chamar-lhe-ia: "Grito de cão sem dono".

Que pena tenho de não saber colocar aqui uma das faixas para vos deliciar! Deixo-vos o mimo das palavras.


Dá-me Um Abraço Miguel Gameiro


Dá-me um abraço que seja forte

E me conforte a cada canto

Não digas nada que o nada é tanto

E eu não me importo



Dá-me um abraço fica por perto

Neste aperto tão pouco espaço

Não quero mais nada, só o silêncio

Do teu abraço



Já me perdi sem rumo certo

Já me venci pelo cansaço

E estando longe, estive tão perto

Do teu abraço



Dá-me um abraço que me desperte

E me aperte sem me apertar

Que eu já estou perto abre os teus braços

Quando eu chegar



É nesse abraço que eu descanso

Esse espaço que me sossega

E quando possas dá-me outro abraço

Só um não chega



Já me perdi sem rumo certo

Já me venci pelo cansaço

E estando longe, estive tão perto

Do teu abraço


Já me perdi sem rumo certo

Já me venci pelo cansaço

E estando longe, estive tão perto

Do teu abraço



E estando longe, estive tão perto

Do teu abraço



8 comentários:

  1. A letra é bonita e a música não lhe fica atrás.

    ResponderEliminar
  2. Não custa nada! Vais ao YouTube e procuras a musiquinha. Depois clicas em "Incorporar" e logo aparece um código com muitas letras e muitos números; copias e colas na tua nova mensagem. E já está! Vá, força, que eu também quero ouvir...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Ah! Esqueci-me de uma coisa: Isabel é um lindo nome...

    ResponderEliminar
  4. Amiga Carol para que nada te falte cá está aquele abraço!

    Muito obrigada pelo elogio ao meu nome. O teu é o reforço de um dos dom com que a fada-madrinha te brindou.
    A fada-madrinha foi muito previdente, mas era impossível não repararmos na ... que a ... tem!

    ResponderEliminar
  5. Você já reparou como é curioso um laço…
    Uma fita dando voltas?

    Se enrosca…
    Mas não se embola,
    vira, revira,
    circula e pronto:
    está dado o laço

    É assim que é o abraço:
    coração com coração,
    tudo isso cercado de braço.

    É assim que é o laço:
    um laço no presente,
    no cabelo, no vestido,
    em qualquer lugar que se precise enfeitar

    E quando a gente puxa uma ponta,
    o que é que acontece?

    Vai escorregando devagarinho,
    desmancha, desfaz se o laço.

    Solta o presente,
    o cabelo, fica solto no vestido.

    E na fita, que curioso,
    não faltou nem um pedaço.

    Ah! Então é assim o amor, a amizade.
    Tudo que é sentimento?

    Como um pedaço de fita?
    Enrosca, segura um pouquinho,
    mas pode se desfazer a qualquer hora,
    deixando livre as duas bandas do laço.

    Por isso é que se diz: laço afetivo, laço de amizade.

    E quando alguém briga, então se diz
    - romperam-se os laços.
    - E saem as duas partes,
    igual os pedaços de fita,
    sem perder nenhum pedaço.

    Então o amor é isso…

    Não prende,
    não escraviza,
    não aperta,
    não sufoca.

    Porque quando vira nó,
    já deixou de ser um laço
    (Maria Beatriz dos Anjos)

    ResponderEliminar
  6. "euchavi", que lindo poema! "É assim que é o abraço: coração com coração tudo isso cercado de braço." Ninguém será capaz de definir melhor. Não conhecia e adorei.
    Um abraço para si

    ResponderEliminar
  7. Estou como diz a Carol, Isabel é um lindo nome e quando era pequena, quando ainda não gostava de me chamar... Natércia, eu gostava mesmo de me chamar Ana (por ser pequeno)ou Isabel em homenagem à Rainha Santa Isabel.

    Termino com um... ABRAÇO bem apertado de amizade virtual

    ResponderEliminar
  8. Tite, muito obrigada pela sua gentileza. Acho que em criança,nunca preferi outro nome próprio,talvez por este ser o nome da minha avó materna, mas recordo que já estudante do Liceu, achava que se tivesse nascido francesa, gostaria de me charmar Justine, para ter um nome doce de segredar ao ouvido. Ah, A idade do cor-de-rosa! Na verdade sou Isabel. Rainha nunca serei porque neste país foi abolida a monarquia, agora santa.... nunca se sabe!
    Um abraço também para si, com toda a simpatia.

    ResponderEliminar