sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

O MEU SOFÁ

Não sei em que pus as vistas pela capital ou no que não terei posto, que chegada a Leiria, tive de ir a correr para a oftalmologista. Estou doente dos olhos. Eu achava que era do esquerdo e a médica diz que o direito está pior. Não admira. Há que respeitar as tendências…

Seja lá como for, isto deprime-me e obriga-me a tomar “umas pastilhas” enormes de quatro em quatro horas, cinco ao dia, acontecendo a última toma precisamente às vinte e quatro horas. Até aqui, nada de mais, é a hora a que habitualmente me deito. Porém, tendo em conta que estou “doente”, achei que merecia certos mimos há muito de mim arredados: Para começar, lamentar-me “ai, ai, estou doentinha!” depois passar os serões em que ninguém, fora da graça de Deus, se lembra de marcar reuniões, deitadinha no sofá, vendo televisão, à espera da hora de tomar o remédio.

Tapo-me com a minha manta, não com a de estrelas, que essa oferecia-a à minha filha mais nova, mas com outra; florida, primaveril, onde no verso bordei a frase que Vítor Barroca Moreira escreveu aos nove anos e que Maria Rosa Colaço nos deu a conhecer no livro Flores para Crianças: “O amor é um pássaro verde num campo azul no alto da madrugada”.

Aconchego-me bem enrolada no “pássaro verde” e comigo já são dois, “no campo azul” – o meu sofá e lá ficamos… Quantos mais vêm nem sei… Tal como na história infantil vão chegando, um de cada vez e ficam três, quatro, … tantos quantos os sonhos vão trazendo; tal com depois vão partindo até ficar só um. Eu, só, no “alto da madrugada” sem ver televisão e sem ter tomado o remédio às horas devidas, rabugenta, toda torcida, amachucada, porque o hipopótamo também deve ter participado no serão.

8 comentários:

  1. O prazer é todo meu. E o meu sofá todo teu:)

    Trata-me por tu, pode ser?

    ResponderEliminar
  2. Venho apenas lembrar que está na hora do medicamento. Desejo-lhe rápidas melhoras!

    ResponderEliminar
  3. M.
    Muito obrigada, não esquecer o teu oferecimento.

    ResponderEliminar
  4. Rui:
    Ainda não está bem na hora, mas já não falta muito. Muito obrigada pelos votos de rápidas melhoras. Eu bem desejava que fossem rápidas...

    ResponderEliminar
  5. Estás a sugerir que foi algo que viste lá pela capital que te pôs "noentinha"?... nem te atrevas!

    Boas melhoras.

    ResponderEliminar
  6. in a criança e a vida , colectânea de textos infantis, coligidos por maria rosa colaço

    Ao acaso abro neste Poema à professora

    Conheço-te há três anos
    Chamo-te Maria ou Pássaro Azul
    e dou-te este poema solitário
    numa noite de origens e de rosas.
    O teu cabelo é paisagem verde
    os teus olhos são a luz do mundo
    o teu rosto é a minha saudade.
    A escuridão é abundante dos que sofrem
    e como tu
    ninguém tem o coração mais dentro do peito
    a sofrer a sofrer por nós
    que somos teus irmãos

    víctor figueiredo 9 anos

    ResponderEliminar
  7. Olá, "euchavi"! Muito obrigada pelo poema que escolheu para mim.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  8. "Carol" Não sei se foi algo que vi ou se foi algo que não vi. Fiquei doente e isto vai de mal a pior...

    ResponderEliminar