terça-feira, 1 de março de 2011

FÉNIX

Ela acordou cedíssimo naquela manhã de Sábado. Viu-se perante uma situação estranha e assustou-se. Não bastava estar doente dos olhos? Seria a situação consequência do antivírico? Deveria ir ao hospital? “Não há Sábado sem Sol” pensou e deitou-se novamente esperando que fossem horas para ir à consulta aberta, ao Posto Médico.

A ida ao médico adiantou pouco. “Poderá ser isto… poderá ser aquilo….“Pare com o antivírico e aproveite o fim-de-semana para repousar”, foi a recomendação do clínico que também não percebeu o que se passava. E ela voltou para casa, não sem antes visitar a mãe para deixar a “Maria”não fossem faltar-lhe os resumos das telenovelas, que paciência já não há para ver aquilo tudo, na TV, dia a dia, aos bocadinhos.

Precisava de palavras de conforto, de mimo, de ânimo, de esperança, mas mesmo que o médico tivesse passado receita, nada disso se vendia na farmácia. Deitou-se e aproveitou para estudar o papel da peça de teatro em que participa.

Lembrou-se e telefonou à amiga ”amanhã, não poderei ir ao passeio pedestre a Alvaiázere, estou doente”; “queres que vá aí? tens almoço? queres sopa?

As horas foram passando. Apareceu a empregada avisada pela amiga. Trouxe um braçado de grelos e outro de flores. Alegrou as jarras e partiu.

Às dezoito e trinta levantou-se. Um duche revitalizou-a. Cuidou-se, vestiu um vestido preto bem justinho e pendurou umas penas rubras ao pescoço. O jantar de Carnaval do Rotary Club estava marcado para as vinte. Morrer sim, mas não de tédio!

Dançou toda a noite e as penas rubras foram-se espalhando pelo chão!

Fénix renascera das cinzas.

20 comentários:

  1. Francamente li e reli e fiquei na dúvida...Real? Imaginado?

    Ou que seja é uma história do diabo (mais se for imaginada...)...

    E escreves bem:)

    ResponderEliminar
  2. Olá M.
    Não é uma história imaginada. É verídica.
    Obrigada pelo "escreves bem :)"

    ResponderEliminar
  3. Não se agradece o que se é!!!

    :)

    Não sou muito de elogios. Mais de constataçõs:)

    ResponderEliminar
  4. Fenix quer dizer vermelho *
    Eram rubras suas penas
    Imortal não aconselho
    Mas duradoura apenas

    O vestido justo preto
    Não é Fenix renascida
    É mais "não me comprometo"
    É mais "gosto da Movida"!

    Se toda a noite dançou
    A espalhar penas no chão
    Então o vírus finou
    No meio da confusão

    nota do autor: Fenix está ligada à palavra fenicio e associada à cor purpura,embora Fenix tivesse cinco cores

    ResponderEliminar
  5. Fénix com novas penas?
    Ou Fénix sem penas
    A penar com pena
    Das outras penas?

    ResponderEliminar
  6. Olá "euchavi"! Mas que veia! Obrigada pelas quadras.
    Espalhei as penas da echarpe, mas tive alguma ajuda. As penas eram bonitas, atractivas mesmo e muita gente andou com elas ao pescoço, ajudando a espalhar as minhas penas pelo chão.
    Cheguei a casa quase sem penas, mas o vírus não se finou

    ResponderEliminar
  7. Olá, Olímpio!

    Pois tenho pena, aqui digo
    Tenho pena, não sou galinha
    Só queria que o meu amigo
    Tivesse também pena minha

    ResponderEliminar
  8. Olá Isabel sem pena!

    Para burro só me faltam penas
    Mas burro penas não tem!
    Que pena faltar-me a pena
    De não ter pena de ninguém!

    ResponderEliminar
  9. Olímpio, que nada lhe falte!

    Se tem pena de não ter penas
    Faço-lhe um belo toucado
    P'ra que esse burro sem penas
    Fique lindo e enfeitado

    Ponha as penas nas orelhas
    Outras na cauda coladas
    Verá as novas e velhas
    Só burras apaixonadas

    Fico sem penas, é certo
    Mas outras desse jaez
    Comprarei aqui bem perto
    Na loja de algum chinês

    ResponderEliminar
  10. ó Fenix, agora dás-te às desgarradas?!... Tá giro, tá!

    ResponderEliminar
  11. Pois, se me havia de dar para pior... :) Se calhar tive febre e nem dei por isso (lol)

    ResponderEliminar
  12. Penas não há na loja
    De chinês nem de ninguém
    Penas só há na forja
    Do penar por um alguém

    ResponderEliminar
  13. Depende da pena, amigo
    Relativo é o conceito
    Acredite no que digo
    E arranqu'as penas do peito

    ResponderEliminar
  14. Não são penas do peito
    Nem penas de nenhum pavão
    Penas apanham-se a eito
    Apenas as do coração

    ResponderEliminar
  15. As penas do coração
    São as dum amor falhado
    Penar por isso, é que não
    Muda-se é de namorado(a)

    ResponderEliminar
  16. Absoluto é o Tempo
    Qualquer seja o conceito
    E é também o Pensamento
    Sempre além do dito e feito

    Há penas de todo o jeito
    Quer se queira quer não
    Mas as penas do bem mal feito
    São das piores do Coração

    ResponderEliminar
  17. Há penas de todo o jeito
    Por isso quis dar as minhas
    Já tenho o toucado feito
    Estou a cosê-lo com linhas.

    Leia Kant e então
    Será mais objectivo
    As penas do coração
    Doem? Tudo é relativo!

    ResponderEliminar
  18. Nunca leio Kant nem Comte
    Nem Descartes ou Galileu
    Por mim quero iluminar minha fonte
    E dar Luz a noites de breu

    ResponderEliminar
  19. É cego quem não quer ver
    E vive na escuridão
    Se filósofos não ler
    Não consegue ter razão

    Conhecimento é luz
    Helenístico conceito
    Mas só a ele faz jus
    Quem estudar a preceito

    Insiste por teimosia
    Não lhe falta inteligência
    Teima só por fantasia
    Pensando que é persistência

    ResponderEliminar
  20. Não me importa não ter razão...
    Nunca estudei a preceito!
    Só tenho a minha Razão
    E querer aprender a meu jeito.

    Só há vida com fantasia
    Disfarce é a persistência
    Eu prefiro a teimosia
    E que vá abaixo a petulância

    ResponderEliminar