terça-feira, 29 de março de 2011

A PRENDA DE NATAL

Era uma vez uma menina que gostava muito de um porquinho cor-de-rosa, meigo e fofinho como só ele sabia ser.

Xubi, assim se chamava o porquinho, habitava algures na floresta de cimento e cumpria os seus dias, pardos uns, mais coloridos outros, numa sequência de bolas enfiadas num cordel.

Menina dera, na Primavera, o coração a Xubi e agora, que se aproximava o Natal queria dar-lhe uma prenda e não sabia o quê. Bem lhe tinham ensinado que prendas só se dão nas alturas certas, mas o coração fora uma prenda que ela dera sem pensar quando, nem saber como ou porquê. Dera e pronto. Não havia nada a fazer, a não ser… procurar outra prenda para oferecer no Natal. Mas lá que era difícil, era…

Menina queria oferecer uma coisa diferente. Uma coisa que inquietasse Xubi, que lhe tirasse o medo de errar quando quisesse fazer diferente, que lhe desse a meio a fúria de chegar ao fim, ou a clarividência de voltar ao princípio para começar de novo.

- Mas onde arranjar uma prenda assim?

- Que coisa terá tais funções? - Perguntou Menina aos botões do bibe.

- Hum, isso são funções de mais para uma coisa só. – Resmungaram os botões que só sabiam estar à janela.

Menina estava atrapalhada.

- O Sol! – Exclamou de repente. - Como é que não me lembrei antes? O Sol é tão bonito! Renova-se em cada manhã sem se importar que o dia acorde rabugento. É sempre quente, amarelo, luminoso.

- Sol, entra nesta caixa, vou embrulhar-te em papel colorido, colar-te dois caracóis de fita e dar-te ao Xubi, neste Natal.

- E quem faria o meu trabalho? Mal me deito aqui, logo me levanto acolá. Sem mim enregelariam as mãos de todos os meninos; os seus olhos perderiam o brilho; os dias seriam noite sem esperança e a Terra uma monótona bola preta. Quando nasço sou para todos. Não podes dar-me ao Xubi.

- Pois é, o Sol tem razão. Vou procurar outra coisa.

-Gotinha de orvalho entra nesta caixa, vou embrulhar-te em papel colorido, colar-te dois caracóis de fita e dar-te ao Xubi, neste Natal.

- E quem faria o meu trabalho? Não tenho um segundo de descanso. Sou o espelho onde o Sol se penteia; a frescura dos pássaros da floresta; a alegria das florinhas do campo; o bordado da teia em que me baloiço; a musa dos poetas que cantam a leda madrugada. Sou de todos Menininha. Não podes dar-me ao Xubi.

- Gotinha de orvalho tens razão. Terei de procurar outra coisa.

- Sementinha entra nesta caixa, vou embrulhar-te em papel colorido, colar-te dois caracóis de fita e dar-te ao Xubi, neste Natal.

- E quem faria o meu trabalho? Vês-me aqui quieta, mas não estou a dormir, ensino as pessoas a esperar; com a ajuda da gotinha de orvalho ensino a vontade firme de olhar o Sol e depois de abrir caminho e olhá-lo nos olhos fabrico o ar que respiras e o perfume que te regala. Sem mim não haveria diferença. Como vês sou de todos. Não podes dar-me ao Xubi.

- Também tu sementinha?

-Também eu Menininha.

- Talvez a Terra me ajude.

- Terra entra nesta caixa, vou embrulhar-te em papel colorido, colar-te dois caracóis de fita e dar-te ao Xubi, neste Natal.

- E quem faria o meu trabalho? Guardo fresquinha a água que bebes; conservo o calor do Sol; embalo a vida que explode em cada Primavera; sou a certeza onde pisam os teus pés.

- Também tu és de todos?

- Sim, também eu e com o Sol, a gota de orvalho e a sementinha somos a esperança, o eterno retorno, o sentido do teu sonho.

- Mas o Xubi? Deixo-o sem prenda neste Natal?

- Fecha os olhos e deseja.

Então Menina fechou os olhos e desejou. Desejou com muita força…

Aconteceu o sonho.

Menina virou borboleta e a partir deste Natal, que ninguém sabe quando aconteceu, até ao fim do tempo, Xubi será o único porquinho cor-de-rosa, meigo e fofinho com uma borboleta na ponta do nariz.

12 comentários:

  1. Pois...pois.
    O sol quando nasce é para todos, mas há sempre alguns que conseguem tapá-lo nem que seja com uma peneira. Como se espera que ele seja já mesmo antecipado do verão ser quente, vamo-nos preparar para ele.
    Quem sabe se não ficaremos sem prenda do "verão" e do "Natal"? Possivelmente nemcom a prenda do orvalho vamos ser bafejados. Talvez só a borrasca.
    Esperemos bem que não.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. João, quem vive perto do mar, pode sempre usufruir da calma das manhãs de bruma. Nada de pessimismos. Nenhum português sabe se descende dos que partiram nas caravelas afrontando o desconhecido se dos que ficaram enganando a miséria e a dor. Quer uns quer outros aprenderam a gerir a incerteza. Por isso somos os melhores trabalhadores do mundo. Estamos sempre prontos para tudo. Não vamos desanimar quando o país precisa, mais que nunca, da nossa esperança e da nossa força.
    A melhor prenda somos nós próprios e a certeza de que conseguimos o que queremos.

    ResponderEliminar
  3. É o que eu digo! Tens mesmo jeito para escrever histórias para crianças. Abalança-te e faz um livro! Posso arranjar-te uma ilustradora. A sério!

    ResponderEliminar
  4. Eh pá!!! Já podes ir para ministra da educação. Nada fácil escrever para crianças. das literaturas a mais difícil!!!

    Vou levar a história comigo.

    Muito Muito bom!!!!!

    ResponderEliminar
  5. Uma menina na Terra dos Sonhos, muito inconformada com a sua sorte, tanto se esforçou que ganhou asas e voou. É uma bonita história, esta, diferente da que acontece a muitos meninos e meninas deste país...
    Porque será?

    ResponderEliminar
  6. Carol:
    És uma simpatia, mas quem publicaria esta história?
    Gente com jeito para escrever há "aos montes". Vender o que se escreve é uma coisa diferente.
    Agradeço a tua generosidade, mas acho que é mesmo a amizade a falar.

    ResponderEliminar
  7. M:
    Tu nem as pensas... Se eu fosse para Ministra da Educação davam-me cabo do esqueleto em dois tempos (ou menos). Sou especializada em Supervisão Educativa e se "óspois" me dava para avaliar os "prófes"? Já viste o trabalhão que teria para juntar os ossos?! (lol)

    Fiquei feliz por gostares tanto da história.

    ResponderEliminar
  8. Rui:
    Porque será?


    Será que o sonho comanda a vida?

    ResponderEliminar
  9. "O melhor do mundo são as crianças".
    Feliz da alma que as encanta!

    ResponderEliminar
  10. Olha, há lá um selo de amizade para ti no meu blog.
    E continua a escrever historinhas destas. Faço minhas as palavras do Olímpio Pinto (que não conheço)
    Bj.

    ResponderEliminar
  11. O que eu amo, do fundo do meu coração, ler histórias contadas pelas Avós aos netos.

    Esta está linda e merece um selo de Avó
    que podes copiar aqui...

    http://taobomseravo.blogspot.com/2011/03/vivam-os-netos.html

    Berijosssssss

    ResponderEliminar
  12. Querida Tite:

    Agradeço reconhecida o selo com que distingue a minha prosa, mas não o sei reproduzir aqui no meu blog.

    Fico feliz por ter gostado da minha história.

    ResponderEliminar