sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

HOJE

Acordei, como normalmente, um pouco antes da oito da manhã e saltei da cama com a ideia de apagar imediatamente o texto que tinha publicado ontem no blog “que tolice! Aquilo (pensava eu referindo-me ao texto) é faltar à “promessa”.

Levantei a persiana e abri a janela do quarto. Gosto de ir à varanda logo que me levanto, ainda mal agasalhada, para sentir o tempo. Sentir o frio agradou-me. “Estou viva e a mexer! Que bom!”

Quando finalmente me sentei em frente ao PC, disposta a apagar o texto de tanta discórdia introspectiva acabei a rir. O tempo, para o bem e para o mal, tem o dom maravilhoso de passar de mansinho. Com pezinhos de lã, pousa aqui, pousa acolá e, em passadas largas, avança tão depressa que nós, quando olhamos a pensar que está aqui, já foi.

Aquele texto de ontem está publicado como se fosse de hoje, o próprio relógio se encarregou de lhe alterar o referente destruindo-lhe o sentido, aquilo não é, já era, nem vale a pena apagá-lo.

Da quinta-feira só quero recordar o entusiasmo da Dra. Isabel Jonet, Directora do Banco Alimentar Contra a Fome, que tive o prazer de conhecer nessa manhã. O entusiasmo dos que acreditam em causas nobres transmite-nos energia para a vida.

Hoje é Sexta-feira, dia de jantar com os amigos num repasto de risos e boa disposição. O Sol brilha, a esperança renova-se, da rua chega a música do quotidiano.

Como bem imediato a vida já me concedeu o dia de hoje. Que bom!

2 comentários:

  1. Esta tarde vou para o meu quintal namorar as árvores e acariciar a terra… E depois? Bem, depois tudo pode acontecer…
    :)

    ResponderEliminar